Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Autonomia II

Muito tem dado que falar a expressão "Povo Açoriano".

Sendo Açoriano, e portanto parte do povo Açoriano, entendo que esta expressão visava acima de tudo vincar a nossa maneira ser, a nossa cultura, as nossas particularidades, as nossas vivências muito próprias...

Erradamente a maioria dos deputados da Assembleia da República entenderam-na como ameaçadora da unidade territorial nacional. Erraram. Contudo agora estão a ter motivos para justificarem a sua decisão quando meia dúzia de independentistas, muitos deles descendentes dos primeiros mentores da FLA, quiseram, cobardemente, apoderarem-se da expressão "Povo Açoriano" para fazerem ressurgir as suas utopias separatistas nunca aceites pela maioria dos Açorianos.

De facto há um povo Açoriano que partilha usos e costumes, muitos deles com origem em Portugal continental, como aliás não poderia deixar de ser uma vez que essas ilhas foram povoadas por portugueses. No entanto, essa bonita natureza que moldou estas ilhas também foi aperfeiçoando as tradições deste povo Açoriano. Por entre vulcões, terramotos e tempestades surgiram as romarias, o Senhor Santo Cristo e a ligação extrema ao culto do Divino Espírito Santo; Sapateias, Chamarritas, Bailes Furados, Pezinhos, São Macaios, Saudades, Sol Baixinho, entre muitas outras modas; nasceram grandes poetas como Vitorino Nemésio e Natália Correia e até presidentes da República como Manuel de Arriaga. Tudo isto fez com que nascesse um Povo, não um povo no sentido separatista que alguns violadores da verdade querem fazer crer, mas o Povo equivalente ao quinto império que Fernando Pessoa preconizava, um Povo de valores, de cultura, esta é que é a verdadeira dimensão do Povo Açoriano.

Os que ainda teimam numa deriva independentista ao estilo jardinista esquecem-se que estas ilhas sempre tiveram uma forte ligação com Portugal Continental, foi assim no tempo do domínio da dinastia dos Filipes, e foi assim, por exemplo, no século XIX quando D.Pedro partiu dos Açores para lutar pelos ideais liberais contra o absolutismo imposto pelos miguelistas...

Deste modo, gostaria de ver os ânimos menos exaltados, pois no fundo o comum dos Açorianos sabe muito bem o que quer dizer a expressão Povo Açoriano e como lidar com estes senhores que teimam em fazer renascer movimentos que em nada contribuem para a melhoria da nossa autonomia e para a boa relação entre todos os Portugueses.

 


publicado por Hélder Almeida às 22:45
link do post | Opinar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Não há nada que pague com...

. Vasco Cordeiro, o Futuro ...

. 25 de Abril sempre!

. Força

. Escandaloso

. Vitória da Educação

. Toxicodependência

. Comprimidos de responsabi...

. Pacto na Educação

. Digestão de resultados.

.arquivos

. Outubro 2011

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abril

. ambiente

. crise

. desporto

. educação

. europa

. futebol

. justiça

. música

. natal

. poesia

. política

. ponta delgada

. religião

. sociedade

. transportes

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds