Terça-feira, 4 de Março de 2008

Avaliação

Há na sociedade portuguesa o consenso de que a avaliação de professores é necessária. Contudo é a forma, conteúdo da avaliação que gera todas as divergências verificadas entre os diversos agentes da educação.

Seria de rir, se não fossem de mau gosto, as declarações de algumas caricatas figuras da nossa praça ao afirmarem que a avaliação dos professores é urgente, já que se nas suas empresas não tivessem implantado um sistema de gestão e avaliação por objectivos - dizem eles - a produção das mesmas seria desastrosa. Perante pérolas como estas apetece perguntar: Serão as escolas fábricas de licenciados, máquinas de "chouriços" em que de um lado entram miúdos de 6 anos e do outro saem adultos de 20 e poucos anos já prontos a integrar o mercado de trabalho? Meus senhores as escolas são antes de mais formadoras de pessoas, de personalidades, de mentalidades.

Não é minimamente inteligente comparar o processo avaliativo dos professores com os de outros trabalhadores. Cada aluno é um aluno, reflexo de todo um contexto familiar que é condicionado pelos factores socioculturais em que está mergulhado. Cada professor da escola pública tem a seu cargo turmas de no mínimo 20 alunos, o que constitui um verdadeiro “caldo” social. Os professores não trabalham com coisas, mas sim com seres humanos. Ao professor não é exigido que produza o mesmo produto todos os dias, mas sim que trabalhe em vinte produtos diferentes todos os dias e que mudam de dia para dia tendo em conta o “estado de alma” de cada um dos seus vinte produtos (leia-se alunos).

Não sou professor, mas com eles estou solidário. Entendo que a sua avaliação não pode passar por aulas assistidas, nem pode ser condicionada por regimes de cotas. Entendo que a sua avaliação deverá passar pela formação contínua como sempre aconteceu, pelo sério enquadramento dos resultados dos seus alunos no meio sócio-económico em que se inserem e por último por aquilo que há uns anos era conhecido como inspecção, a qual viria às escolas em datas surpresas inteirar-se de um conjunto de documentos elaborados pelos professores que comprovassem a realização e cumprimento efectivo dos programas escolares.

Só com seriedade, respeito e espírito aberto é que este problema será resolvido.

 


publicado por Hélder Almeida às 16:24
link do post | Opinar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Não há nada que pague com...

. Vasco Cordeiro, o Futuro ...

. 25 de Abril sempre!

. Força

. Escandaloso

. Vitória da Educação

. Toxicodependência

. Comprimidos de responsabi...

. Pacto na Educação

. Digestão de resultados.

.arquivos

. Outubro 2011

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abril

. ambiente

. crise

. desporto

. educação

. europa

. futebol

. justiça

. música

. natal

. poesia

. política

. ponta delgada

. religião

. sociedade

. transportes

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds