Segunda-feira, 15 de Junho de 2009

Há que corrigir...

Há muitos equívocos por parte da secretaria regional da educação relativamente ao processo de avaliação dos professores e a algumas questões fundamentais no sistema educativo dos Açores.

Em primeiro lugar começo por falar de algumas das questões estruturantes da educação. No ensino regional desde há alguns anos que está instalado um ensino que pretende ser de níveis, nomeadamente no primeiro ciclo, na tentativa de seguir o modelo anglo-saxónico. Contudo  este sistema é falacioso, pois vejamos: supostamente os alunos no 1º ciclo estão num ano escolar (por exemplo 3º ano) e num nível, que poderá ser o nível 2. Com isto, e estatisticamente os alunos transitam de ano, mas ficam retidos no nível. O pior é que supostamente um aluno que está no 3º ano nível 2 não deverá estar a repetir todo o programa do 2º ano nível 2, mas na realidade é a isto que se assiste; os alunos de 3º ano nível 2 continuam na mesma sala dos colegas de 3º ano nível 3 mas com os livros e programas do 2º, ou seja, é o mesmo que não tivessem transitado de ano, contudo com esta cosmética contam como aprovações. O que os teólogos da educação esquecem (muitas vezes por desconhecimento e afastamento da realidade escolar) é que este ensino só seria eficaz se, como nos países anglo-saxónicos, as turmas fossem organizadas por efectivos níveis construindo-se programas específicos para cada ano e nível.

Futuramente irei expor mais algumas falhas do sistema de ensino.

Quanto aos professores, e não sendo professor, tenho a certeza que a maioria quer ser avaliada, mas mediante condições justas. É inadmissível que um professor no item assiduidade da sua avaliação não possa ter a máxima classificação se tiver faltado, justificadamente, por assistência à família, doença, internamento hospitalar e acidente em serviço. Uma lei destas é no mínimo pouco democrática.

Como socialista e apoiante do partido socialista fico triste por ver todo o trabalho levado a cabo pelo PS na modernização das instalações e equipamentos de ensino ser ensombrado por propostas destas, que só revelam o alheamento da realidade dos responsáveis por esta pasta.

O PS, partido da liberdade e da democracia tem o dever de continuar a modernização do ensino regional, eliminando estes aspectos menos conseguidos atrás referidos através de uma postura dialogante, pois o povo português e açoriano tem demonstrado que valoriza o diálogo e a abertura dos seus governantes às suas opiniões e anseios.

 


publicado por Hélder Almeida às 21:24
link do post | Opinar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Não há nada que pague com...

. Vasco Cordeiro, o Futuro ...

. 25 de Abril sempre!

. Força

. Escandaloso

. Vitória da Educação

. Toxicodependência

. Comprimidos de responsabi...

. Pacto na Educação

. Digestão de resultados.

.arquivos

. Outubro 2011

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abril

. ambiente

. crise

. desporto

. educação

. europa

. futebol

. justiça

. música

. natal

. poesia

. política

. ponta delgada

. religião

. sociedade

. transportes

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds